Nosso Ano

Nosso Ano

Total de visualizações de página

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Ousadia e coragem.

Elias nos mostra sensibilidade ao Espírito de Deus. Ele foi o mais famoso e dramático dos profetas de Israel. Mesmo pagando o preço de ter trabalhado sozinho, Elias depositava sua confiança em Deus. Uma das características marcantes do seu ministério foi a ousadia com que transmitia a Palavra do Senhor, e por essa ousadia ele foi enviado não para confortar, mas para confrontar, devido a situação de Israel na época.

Em 1 Reis 17: 2-4, 8-10 temos exemplos da total dependência de Elias no Senhor, quando ele foi alimentado por corvos junto ao ribeiro de Querite, e, logo após Deus ordena uma viúva para o sustentar. No capítulo 19: 1-7, vemos outra vez a dependência que Elias tinha do Senhor. Quando Jesabel ameaçou Elias de morte, este fugiu pelo deserto. Naquele momento a solidão tomou conta de Elias, e, movido pela angústia ele chegou a desejar a própria morte (v. 4). Depois, enquanto Elias dormia, Deus enviou um anjo para o alimentar e disse que a caminhada seria longa. Elias foi para Horebe a caminho de quarenta dias. Ele aceitou o chamado do Senhor por que confiava n’Ele, por que sabia que Deus honra e cuida daqueles que são sensíveis ao Seu chamado.

Peguemos agora o exemplo de João Batista, a voz do que clama no deserto (Jo 1: 6-8, 22-23). No capítulo 4 de Malaquias versículo 5, o Senhor diz: “Eis que eu vos envio o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor.” Malaquias dizia que como Elias, Deus enviaria um profeta ousado para confrontar e esse profeta foi João que levou ao povo a mensagem de arrependimento. Ele falava com ousadia, não se preocupava com status, se vestia com roupas curiosas, e vivia nas regiões desérticas. João abraçou ao chamado de anunciar a vinda do Messias, pois confiava em Deus. Os fariseus, homens moralistas, voltados para as questões religiosas, levavam ao povo padrões de vida que eles mesmos não seguiam.Esses foram chamados por João de “raça de víboras”. Pela primeira vez, alguém realmente destemido os repreende. João não tinha compromissos com a sociedade corrompida, ele não poupou nem mesmo o governador Herodes. Esse ato ousado custou-o a morte, mas João não se importava em morrer, queria apenas ser fiel a Deus.

É muito fácil falar a Deus que estamos dispostos a trabalhar, o difícil é se ajustar no perfil do homem santo, pagar o preço. Deus deseja levantar homens dispostos a pagar o preço, alguns pagam com a própria vida, como foi com Estevão que antes de morrer viu os céus abertos e contemplou a Glória do Pai e Jesus à sua direita (At. 7:55, 56).

Os propósitos de Deus nas nossas vidas não são em vãos. Deus também têm sonhos. Quando aceitamos o chamado do Pai, desde os momentos alegres até nas portas da morte, podemos também contemplar os céus abertos, por que Jesus nos acompanha. Podemos contemplar a Glória do Senhor porque Ele é conosco. Mas Deus quer ousadia da nossa parte. Ele quer homens destemidos para fazer a diferença, por que estamos vivendo tempos semelhantes ao de Elias, cheios de corrupção, idolatria, violência.

Então quando estivermos desapegados de bens matérias e sentimentais, limpos dos pecados, desgarrados de toda imundícia da carne, aí estaremos preparados para sermos usados pelo Senhor dos Exércitos e poderemos nos apegar ao Pai. Aí poderemos ir para a Batalha e dizer, como Elias: “Vive o Senhor dos Exércitos, perante cuja face estou”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário